Escolhendo uma ideia para o Startup One

Uma vez com o grupo formado, o próximo passo é escolher uma ideia de negócio para desenvolver durante o Startup One. Há uma série de técnicas de geração de ideias, mas aqui eu vou escrever sobre algumas características importantes da ideia, para esse contexto explícito.

Oportunidade real de negócios

Já que você vai trabalhar por quase meio ano em uma ideia, procure algo que é, realmente, uma oportunidade real de negócios. Assim, se tudo der certo, você sairá da FIAP com uma oportunidade a mais de ganhar dinheiro. Afinal, um dos objetivos do Startup One é criar empresas de verdade e trazer mais uma forma de sucesso econômico para os alunos, além da possibilidade de um emprego melhor.

Além disso, trataremos todos os projetos como oportunidades reais de negócio, então todas as atividades do curso farão muito mais sentido (e, possívelmente, serão mais fáceis) se forem aplicadas a oportunidades reais. Ou você acha que é empolgante trabalhar um bocado em algo que você sabe que não dará dinheiro de maneira alguma, como um e-commerce de hot dogs quentinhos?

E, claro, a viabilidade real do negócio será, provavelmente, o fator decisivo para a escolha dos juízes no concurso do Startup One. Quem quer passar uma semana na faixa em Babson College, nos EUA?

Uma oportunidade realmente interessante

Você e seu grupo têm uma série de interesses diferentes. Busquem uma oportunidade real em uma área que seja realmente interessante. Afinal, é bem mais legal fazer um trabalho em algo que estimula a todos vocês do que, novamente, planejar o e-commerce de hot dogs (a não ser, é claro, que você seja um especialista em hotdogs).

Mas não seja extremamente exigente nesse aspecto: o grupo de vocês será relativamente heterogêneo e dificilmente vocês acharão uma oportunidade que deixe todos extremamente empolgados. Basta achar algo que seja estimulante acima da média. Mas, quem sabe, você não dá sorte e consegue convencer o grupo a trabalhar em algum dos seus temas preditletos?

Aproveite a experiência do grupo

Você e seu grupo têm um conjunto de experiências valioso. Seja conhecimento técnico em uma área específica, seja uma rede de contatos forte em uma indústria, seja uma habilidade fortemente desenvolvida por um ou mais integrantes do time ou, de preferência, tudo isso junto. Foquem em oportunidades que tiram vantagem de toda essa experiência. A chance de sucesso do negócio aumenta muito e a facilidade de vencer os obstáculos do trajeto também.

Crie impacto positivo no mundo

Do mesmo jeito que você escolherá algo que seja interessante de se fazer, aproveite a oportunidade e busque uma oportunidade que, se bem explorada, vai gerar dinheiro e um impacto positivo no mundo. Pessoalmente, isso é uma motivação muito forte para mim e me ajuda a focar as energias no trabalho, tanto ajudando as startups na Aceleratech quanto dando aulas na FIAP e em outros lugares.

Dá para ganhar muito dinheiro com modelos de negócios “egoístas”. Mas a que custo pessoal?

Escolha um modelo escalável

Dizem que sonhar grande ou sonhar pequeno dá o mesmo trabalho. O mesmo vale para a criação de empresas. Eu garanto que dá o mesmo trabalho criar uma consultoria ou um estúdio de programação e criar uma empresa que tenha um produto escalável. A diferença é que o crescimento de uma empresa escalável não está limitado da maneira como negócios tradicionais estão. Nós ainda falaremos mais a fundo sobre escalabilidade, mas, quem quiser saber mais pode começar por aqui.

Dê preferência a modelos B2B

Há diversos modelos B2C altamente escaláveis como, por exemplo, o Facebook, o AirBnB e o Uber. Porém o financiamento desse tipo de empresas é muito complicado: antes de ganhar dinheiro suficiente, todos eles precisaram gastar uma grana preta fornecida por investidores.

Em negócios B2B, o modelo de monetização pode ser muito mais claro, já ser exercido desde o início e, dependendo do caso, algumas poucas vendas podem ser suficientes para atingir o break-even da empresa.

Procure algo que seja “prototipável”

A vantagem dos alunos da FIAP é que a maioria deles sabe programar. Ou seja, como os conhecimentos que você já tem você pode fazer aquilo que todo empreendedor não técnico sua para fazer: um protótipo funcional. O protótipo (ou, em casos um pouco mais avançados, o MVP) será fundamental para você validar o seu negócio. Anote bem essas duas palavras: protótipo e validação. Não é à toa que são dois dos itens mais importantes da nota do projeto.

Procure uma oportunidade, portanto, que você possa prototipar com software. Seja um app, um sistema SaaS online ou mesmo um software “de caixinha”, instalável.

Existem ótimas oportunidades de negócios que são muito difíceis de se prototipar como, por exemplo, uma rede de franquias de restaurante. Eu gosto muito do conceito do Vapiano, mas, para se testar a ideia, é necessário abrir um restaurante de verdade e contratar um time inteiro. Nada que se possa fazer com menos de alguns milhões de reais e muitos meses de preparo.

Você está criando um app ou uma empresa?

Já que estamos falando de apps, é importante frisar que nem todo app é uma empresa. Muitas empresas podem se manifestar através de um app, mas o foco deve ser na empresa, não no app. Eu digo isso pois, na Aceleratech, vemos muitas pessoas que são bons programadores criando apps legais e indo buscar investimento para fazer o app crescer, esquecendo que, para que haja investimento, o negócio fundamental atrás da ideia do app tem que ser sólido. O app pode ser fantástico, usar uma tecnologia de última geração e resolver um problema de milhões de pessoas. Mas se ninguém estiver disposto a pagar por isso, não tem negócio por trás.

Analise menos, valide mais

Uma ideia nota 7 validada vale mais do que uma ideia nota 10 que ainda não foi escolhida. Ter ideias para negócios é difícil e causa discussões intermináveis, ainda mais em grupo. É preferível que o grupo se decida por uma ideia que pode não parecer ser a melhor ideia do mundo, mas tem bastante potencial, do que deixar o tempo passar e escolher uma ideia de última hora (que, por ter sido escolhida às pressas, não será melhor do que aquela ideia interessante do início que poderia ter sido validada no meio tempo). Utilize o método de validação: pegue uma ideia interessante logo de cara, comece a testar as suas hipóteses e comecem a aprimorar a ideia a partir do que você aprendeu na validação. Não há ideia perfeita e o ótimo é inimigo do bom. Busque o bom otimizado, não pelo ótimo.

Originalidade é bom, mas não é tudo

Da mesma maneira, não foque tanto na originalidade, preocupe-se mais com os fundamentos da oportunidade de negócios. Originalidade é bom e, certamente, contará pontos na hora da escolha do concurso no fim do ano. Mas há muito mérito em identificar uma oportunidade de negócios existente, adaptar e melhorar a ideia e colocá-la em prática através de um protótipo bom com boa validação. Afinal de contas, ninguém fica bravo quando um empreendedor abre uma nova padaria num bairro com oportunidade para isso, não é verdade?

Lembre-se que a inovação pode ser em uma área que não é visível ao público: em uma tecnologia utilizada, em um processo otimizado, em uma maneira nova de se cobrar por algo que as pessoas já conhecem.

Próximo passo: verificar a qualidade de uma ideia escolhida

Sugiro o material do professor Nakagawa, que pode ser baixado aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *