Montando um time de startup

Existe uma frase que uso muito quando apresento contratos de aceleração para startups na Aceleratech:

A startup e os empreendedores se confundem.

O que isso quer dizer é que, no início de um projeto, não existe um limite claro entre o que é a startup, pessoa jurídica (mesmo que não constituída) e os empreendedores, pessoas físicas. Se você tirar os empreendedores (ou apenas um deles) da startup, em geral, ela deixa de existir.

E é por esse motivo que tanto se houve investidor falar que um dos pontos mais importantes na avaliação de uma startup é o time, senão o mais importante. Se é assim, bora montar um bom time?

Ingredientes básicos

No início é necessário cobrir duas áreas bem:

  • fazer
  • comunicar

A startup precisa de alguém que seja capaz de fazer o produto ou serviço que se pretende vender e alguém que saiba vender esse serviço e falar com clientes ou usuários. E vender aqui é utilizado de uma maneira ampla: o empreendedor precisará vender a sua visão para achar um co-fundador ou contratar as primeiras pessoas, precisará vender o produto ou serviço em si e, dependendo da estratégia, precisará vender a sua empresa para parceiros, investidores e fornecedores, por exemplo.

É possível que uma pessoa consiga, num primeiro momento, cobrir as duas bases. Mas, certamente, o desafio fica mais transponível se dividido com um ou mais co-fundadores.

Critérios para escolha

Achar alguém para trabalhar de graça com você já é difícil por si só, achar o co-fundador ideal, então, é múltiplas vezes mais difícil, naturalmente. Mas, nem por isso, a escolha das pessoas com quem você irá trabalhar pelos próximos anos deve ser tomada de maneira leviana: a principal causa para a falência de startups é a briga entre sócios-fundadores.

Escolha alguém que você conheça bem

A ideia por trás disso é simples: quanto mais tempo você já tiver passado com o seu futuro sócio, mais informações sobre essa pessoa você terá e mais realistas serão as suas expectativas (e as dele/dela). Atenção: uma startup colocará qualquer relacionamento à prova: se por um lado é bom ter alguém junto com você com quem você tem um relacionamento forte e robusto para aguentar esses trancos e barrancos, por outro, uma startup pode acabar com um relacionamento valioso para ambos.

Escolha alguém que saiba coisas que você não sabe

Todo mundo fala de sócios complementares e o primeiro ponto desse texto falou sobre isso: alguém que sabe fazer + alguém que sabe comunicar. Uma empresa exige conhecimentos e habilidades diversas, quantos mais dessas habilidades estiverem presentes no time de fundadores, melhor.

Se você sabe programar, busque alguém que saiba vender. Se você é bom de design, busque alguém que seja bom em negócios. Se você é bom em criar coisas novas, busque alguém que saiba organizar as coisas. E assim em diante.

Algumas habilidades essenciais em uma startup digital:

  • desenvolvimento de software
  • design e user experience (UX)
  • marketing
  • vendas
  • estratégia de negócios
  • finanças e dinâmica de investimentos

É possível se ver times com as seguintes habilidades:

  1. sócio 1: dev + UX + marketing digital
  2. Sócio 2: marketing + vendas + finanças

Nem todas as habilidades estão presentes e algumas habilidades estão presentes nos dois sócios, mas existe uma boa base para fazer e comunicar.

Outro time comum, mas menos vantajoso, tem esse jeitão:

  1. sócio 1: administração + marketing
  2. sócio 2: administração + estratégia
  3. sócio 3: marketing + administração

Claramente falta um CTO no time, um fazedor. E sobra vendedor, estrategista, organizador. É bom achar um co-fundador técnico ou garantir que um dos sócios aprenda a programar e outro aprenda a fazer design. Boa sorte.

Escolha alguém que pode se dar o luxo de começar uma startup

Ou que, pelo menos, seja tão obstinado e esteja tão convencido da ideia que fará tudo o que for necessário, pelo tempo que for necessário, para ver o projeto dar certo. Ou dar fenomenalmente errado.

A sua melhor amiga (ou amigo) que acabou de ter gêmeos, cuida da mãe, acabou de pagar a entrada de um apartamento maior e precisa trocar de carro na próxima semana provavlemente não tem a estrutura financeira, de tempo e emocional para começar um projeto arriscado.

O que acontecerá quando 2 sócios estão dispostos a tocar a startup em break-even por mais um ano para crescer o máximo possível e o terceiro sócio não tem economias para mais do que 3 meses? Há soluções para situações como essa, mas, se puderem ser evitadas, melhor.

Escolha alguém com nível de comprometimento semelhante ao seu

Ou, então, ajuste os níveis de participação de cada um na empresa de acordo, logo no início. Nada é mais desmotivador do que achar que você é a pessoa que está carregando o time nas costas, a não ser o sentimento de ser a pessoa que não está fazendo a sua parte trato. O combinado não sai caro, deixem as expectativas de cada um claras logo cedo e pensem em como equilibrá-las, dividindo a participação na empresa de acordo (com quantos % cada sócio fica).

Escolha alguém que seja gente boa

Dizem que abrir uma sociedade é como um casamento, só que mais intenso: os sócios passarão no mínimo 8 horas por dia, cinco dias por semana juntos, por meses, senão anos, a fio. Então que esse tempo seja gasto com pessoas legais, que te animam, com quem é agradável e construtivo passar tempo junto.

Um comentário sobre “Montando um time de startup

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *